SORA

Apenas 25% de profissionais de cibersegurança são mulheres

Pesquisa mostra disparidade de gênero entre profissionais de tecnologia

Redação

21 de dezembro de 2022

COMPARTILHE

Apenas 25% das profissionais de cibersegurança são mulheres,  de acordo com o artigo “Empowering Women to Work in Cybersecurity Is a Win-Win”, do Boston Consulting Group.

Segundo a consultoria, 57% das organizações relatam que vagas de trabalho na área não foram preenchidas e que incentivo à entrada de mulheres nesse campo não só diminuiria a desigualdade de gênero no setor como também contribuiria para solucionar o gap de mão de obra especializada.

A pesquisa realizada pelo BCG, em parceria com a Ipsos, foi realizada em 26 países, com duas mil mulheres estudantes de graduação em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês), e teve como objetivo fornecer um entendimento sobre os potenciais desafios para as mulheres entrarem nas áreas de estudos STEM e seu interesse e percepções sobre as carreiras de cibersegurança.

De acordo com a pesquisa, 78% das entrevistadas disseram que o interesse na área de exatas foi despertado no ensino médio, o que, de acordo com a análise do BCG, já é um ponto crítico. Já 82% afirmaram ter algum ou muito conhecimento sobre segurança cibernética, e 37% disseram encarar a profissão como difícil de proporcionar um bom equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, de render um bom salário, e não veem como a área contribui com a sociedade.

A pesquisa do BCG mostrou, ainda, a importância de lideranças inspiradoras: para 70% das entrevistadas que afirmaram saber algo sobre segurança cibernética disseram ter uma pessoa como modelo, que as inspirou a se aprofundarem no assunto.

Questões culturais e sociais

A análise do BCG sugere que não é o acesso à informação que impede mulheres de entrarem na área de cibersegurança, mas sim questões culturais e sociais, como as responsabilidades da vida doméstica, que limitam a capacidade dessas profissionais de se desenvolverem e alavancarem suas carreiras.

Onde começa a mudança

Para mudar o cenário, o BCG faz algumas sugestões:

•            Pipeline de talentos: dar às mulheres maior acesso à educação em segurança cibernética ampliaria o pipeline de talentos. Também é preciso despertar o interesse das meninas no ensino fundamental e desmistificar a carreira na área de segurança cibernética como exclusiva de homens e tecnologicamente elitista.

•            Recrutamento: é preciso garantir que as mulheres sejam incluídas e tratadas com igualdade, e evitar procurar pessoas semelhantes aos atuais funcionários — maioria formada por homens — o que pode excluir as mulheres, principalmente as mais jovens.

•            Retenção: o foco na retenção de mulheres na segurança cibernética deve abordar compensação, preconceitos de gênero e mais. A promoção de uma cultura no local de trabalho inclusiva e a implementação de políticas de diversidade, equidade e inclusão são os principais fatores para a retenção de funcionárias.

•            Avançar: Mover as pessoas para cargos de liderança — e fazê-lo de forma equitativa. Mentores são cruciais para o avanço delas para cargos de liderança em segurança cibernética e para ajudá-las a navegar no setor em geral e construir perspicácia nos negócios.

O estudo completo, em inglês, pode ser lido no site do BCG.

TAGS:
analista de segurançacibersegurançaSTEMtecnologia da informação

Conteúdos relacionados

Bem vindo de volta